Tudo Sobre Sublimação em Tecido - Diferencial Print

Tudo Sobre Sublimação em Tecido

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

O universo da sublimação apresenta diversas opções de materiais e personalizações para se trabalhar. Estampar roupas, canecas, capas de celular, bolsas, azulejos e mais uma gama de artigos quase que infindáveis tornou-se uma crescente alternativa não só para empreender, como vemos com mais frequência, mas também no intuito do entendimento pessoal de se construir e customizar um trabalho próprio de qualidade e que fique com a sua ‘cara’.

Entretanto, toda tarefa que abrange especificações de produtos e processos contínuos tende a gerar dúvidas não apenas àqueles já imersos neste contexto, como mais ainda aos que pensam em se aventurar neste meio. Afinal, pergunto a você, caro leitor: você sabe o que é sublimação em tecido? Como fazer sublimação em tecido? Quais os materiais específicos para o aperfeiçoamento da técnica e consequente qualidade no trabalho final?

Este artigo visa esclarecer dúvidas e mostrar dicas para uma boa execução no ofício da sublimação em tecido, mais especificamente. Tópicos relacionados a quais produtos é preciso adquirir, tecidos próprios para sublimar e cuidados essenciais serão abordados no decorrer do texto. Siga o escrito e inteire-se sobre tudo relacionado à sublimação e estamparia com a Diferencial Print.

 

O que é sublimação em tecido?

Antes de mais nada vamos contextualizá-lo sobre do que se trata o tema central para aí sim avançarmos em questões mais técnicas. Entende-se por sublimação o processo em que a tinta sublimática presente no papel sublimático com a arte personalizada é passada ao material de destino por meio de uma prensagem em alta temperatura. Em outras palavras, quimicamente falando, é a passagem da tinta em estado sólido (no papel) diretamente para o estado gasoso marcado na peça (que nesse caso será um tecido).

Contudo, é preciso de alguns materiais bem específicos para obter qualidade na prensagem e durabilidade de personalização no tecido. Quaisquer utilizações de produtos diferentes na sucessão de passos na hora de sublimar seu tecido podem apresentar resultados que você não deseja: estampa amarelada, opaca, clara demais ou escura demais, tinta não passada com total firmeza no pano, respingos de tinta em área não sublimáveis e outros contratempos.

Mostraremos a seguir o que você precisa para trabalhar com sublimação e atingir um resultado 100% satisfatório ao final do processo.

 

O que é preciso ter para sublimar tecido?

Aí vão as indicações específicas para trabalhar sublimações em tecidos. No fim das contas você perceberá que não se trata de um bicho de sete cabeças, apenas deve estar atento aos tipos certos de equipamentos para o serviço.

– Tinta sublimática

A tinta a se utilizar é a sublimática, própria para esta finalidade. Tintas comumente usadas em impressões normais (pigmentada) ou à base de corantes não fixarão no tecido e, portanto, são descartadas para esta tarefa.

– Papel sublimático

Nem sulfite, nem kraft, nem fotográfico. O papel apropriado ao processo de sublimação é o papel sublimático – como o nome já indica. Ele vem com uma fina camada de resina em poliéster na superfície, que permite estampar sua arte a partir da prensagem em alta temperatura que receberá. Atenção: quanto maior for a qualidade do papel, maior será a qualidade do seu trabalho final de estampa. Portanto, não economize na compra.

– Impressora sublimática

A impressora sublimática é basicamente uma impressora de design e perfil comum de impressões tradicionais, mas adaptada com o que podemos chamar de “tanque externo” que é o espaço em que vai ser posta a tinta sublimática. Neste tanque você colocará as tintas envolvidas na arte e fazer o caminho da impressão convencional (porém à base de coloração sublimática pronta para prensagem e estamparia).

– Tecidos em poliéster

Destacamos de início um componente essencial que precisa estar presente no tecido para a conclusão da sublimação: o poliéster. Em materiais de fibras naturais (algodão), a sublimação não ocorre naturalmente, a imagem ao final ficará opaca. Assim sendo, adquira sempre o tecido composto de poliéster. Quanto maior for o percentual de poliéster na composição, mais viva e intensa a estampa ficará.

É preciso um índice de pelo menos 60% de fibra sintética (poliéster) no tecido para assegurar que a prensagem terá efeito total de transmissão da tinta. Atente-se às categorias de tecidos para sublimação:

  • Malha PP – 100% poliéster,
  • Malha PV (poliviscose) – 67% de poliéster e 33% de viscose;
  • Malha PA – 50% de poliéster e 50% de algodão.

É possível concluir que uma Malha PA vai apresentar uma prensa com qualidade de 50% se comparada a um mesmo trabalho na Malha PP. A Malha PV já é suficiente para dar durabilidade à personalização.

– Tecidos em algodão

É possível sim sublimar tecidos em algodão, mas aí vão algumas dicas adicionais – já que o tecido por si só não será capaz de absorver a arte.

Uma possibilidade é a de utilizar termocolante, que possui um tecido branco à base de poliéster. É aplicado o termocolante no tecido que será sublimado para depois o desenho ser transferido à superfície de poliéster.

Como segunda orientação vai o uso de resina especial para aplicação em tecidos de algodão, para que ele possa receber o transfer de sublimação.

Uma terceira alternativa é a técnica do Reflect Power: filme laminado que permite a aplicação de diversas imagens por meio da sublimação.

Existem outras formas menos usuais, destacamos essas três que são as mais encontradas e fáceis de realizar. Opte por uma que mais se enquadre no seu contexto e sempre teste a sublimação em um material antes de prensar um lote grande de tecidos.

– Papel Teflon (Manta Teflon)

Você deve se perguntar qual papel é esse, visto que explicamos acima que o tipo de papel específico para a sublimação é o sublimático. O ponto chave aqui e a proteção.

O Papel Teflon (ou Manta Teflon, como também pode ser chamado) evita que seus tecidos fiquem sujos ou amarelados após o processo de sublimação. Contém superfície antiaderente, não absorve água e não queima. Ideal para trabalhos de estamparia, seja com tinta pigmentada e papel transfer, sublimação ou termofilme.

Ele protege a chapa da prensa dos respingos da tinta, pois sem ele a tinta que está no papel ou na camiseta pode sujar e quando você for fazer outra camiseta essa tinta que estava no tecido anterior vai sujar a próxima que fizer.

– Prensa para sublimação de tecidos

Por fim chegamos no elemento que tornará possível uma arte impressa se tornar uma estampa maneira no seu tecido: a prensa para sublimação. Existem diversas máquinas de sublimação no mercado, e cada uma delas é destinada a uma finalidade diferente de material para prensar. Para citar algumas: prensas para estampar canecas, prensa térmica para copos de acrílico, prensa térmica de prato, prensa para estampar bonés, etc.

Todavia, a máquina específica à impressão em tecidos é a prensa térmica plana. Além da sublimação, você consegue trabalhar com outras formas de estampas que também sejam por meio da termo transferência.

 

Qual o tempo de prensagem do tecido? E a temperatura? E a pressão?

Uma vez adquiridos os materiais, chegou a hora de entender um pouco de pressão, temperatura e tempo de sublimação. É importante ter essas informações em mente pois o resultado final da estampa é diretamente condicionado pela atuação dos três passos em conjunto.

Observação valiosa: vale fazer um teste antes de sublimar grandes quantidades. Estampe uma peça, confira se o material não queimou ou apresentou deformidade, veja se as cores saíram vivas e em boa resolução. Se possível, teste a peça lavando-a para ver se a tinta não vai sair.

– Tempo

O tempo de prensagem pode interferir em uma arte mais opaca, sem total transporte da tinta ao tecido, como também pode dar um aspecto amarelado ou deformado se ficar além do período certo. O tempo médio estipulado para sublimação de tecido poliéster é de 20 segundos. Mas atenção: camisa do tipo polo em poliéster pode necessitar de alguns segundos a mais, certifique-se do tempo médio antes de qualquer prensagem. Outros fatores como temperatura ambiente e tipo de máquina precisam ser considerados.

– Temperatura

A temperatura é o ajuste que irá transferir a estampa do papel ao seu material. Tratando-se de tecidos, as temperaturas podem variar entre 180º C e 200º C, que são as utilizadas com frequência. Mas atenção: isso pode mudar conforme a composição do seu produto.

– Pressão

O componente de pressão é específico à prensa em que será feito o processo de sublimação. Ache o ponto certo de pressão para cada produto utilizado, pois nesse tópico cada máquina pode apresentar uma forma de prensagem diferente de outra.

 

Considerações finais

Toda a descrição neste artigo visou dar um panorama bem amplo e didático no pontapé inicial ou na manutenção de seus trabalhos com sublimação. Esperamos que o conteúdo tenha sido útil no passo a passo do entendimento do que é sublimação, dos materiais específicos para esta tarefa e de como utilizá-los para cada finalidade diferente que possa precisar.

Desta forma, incentivamos cada vez mais o mergulho na arte de sublimar. Venha nessa com a Diferencial Print e imprima seus sonhos conosco!

Compartilhe

Sobre o Autor