Tinta Sublimática - Diferencial Print

Tinta Sublimática

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

Trabalhar com sublimação de tecidos e demais substratos como canecas, copos, chaveiros, chinelos e etc não é um bicho de sete cabeças. A técnica da personalização, na verdade, é bem simples de entender, ainda que seu contexto envolva algumas especificações bastante importantes para que o trabalho seja bem executado e atinja um resultado satisfatório ao final de tudo.

Um dos componentes desse processo que mais necessita de atenção é a tinta. Entender quais tintas existem no mercado, seus preços, as devidas aplicações, os resultados que se esperam com elas, durabilidade… tudo isso lhe trará uma segurança maior que irá desde o ato da compra ao percurso de aplicação no trabalho sublimático.

Este artigo aqui no blog da Diferencial Print vai esclarecer o que é tinta sublimática, as diferenças da tinta sublimática para tintas pigmentada e corante, mostrar para quais fins cada uma delas se aplicam e os tipos de superfícies ideais para emprega-las. Em resumo: você terminará esta leitura tendo o conhecimento necessário para diferenciar os tipos de tinta e garantir uma produção sublimática com qualidade.

Aperte o cinto e vamos nessa!

 

Entendendo a técnica da Sublimação

Nunca é demais lembrar ou rever um pouco sobre o processo de sublimação, até porque pensamos que este tópico também possa ser lido por quem pensa em se aventurar neste universo e ainda não tem os conhecimentos prévios bem esclarecidos por si só.

Entende-se por sublimação a técnica de impressão que consiste em estampar tecidos e outros materiais por meio de uma impressora jato de tinta, um tipo específico de papel especial de sublimação e uma prensa térmica. Esse procedimento pode ser feito de duas maneiras: via impressão direta ou via transferência térmica.

Quimicamente falando, a sublimação é a passagem de uma substância em estado sólido diretamente para o estado gasoso, sem que ela passe pelo estado líquido. É aí que temos a tinta como componente principal do contexto. Talvez você se pergunte como um objeto líquido como a tinta terá sua consistência em estado sólido para ser transferida ao estado gasoso, e para isso temos uma explicação a seguir bastante didática.

A personalização escolhida é passada para o papel via impressora, e aí temos a tinta em modo sólido. A química presente tanto na tinta como no papel próprio para sublimação permitirá a passagem do desenho a outra superfície, isso em forma de gás, no processamento sob condições específicas de tempo, temperatura e pressão colocadas na prensa térmica. Ao final deste caminho que dura poucos minutos teremos um produto sublimado e pronto para uso com a devida estampa colocada. Simples, não?

 

Tipos de Tinta

Quando falamos sobre impressão, o mercado nos apresenta basicamente três tipos de tintas próprias para a impressora jato de tinta. São elas: tinta sublimática, pigmentada e corante. Os três tipos apresentam preços, qualidades, durabilidades e impressões bem distintas entre si, o que pode acarretar em má qualidade e expectativas não atingidas na estampa.

 

O que é tinta sublimática?

Como o nome já define, a tinta sublimática é a que tem finalidade única destinada à sublimação. Ela é própria para estampar materiais resinados ou que incluam pelo menos 60% de poliéster na composição – que é o caso específico dos tecidos.

Entre tantas características que a destaca das outras duas, talvez a mais visível logo de cara seja seu preço. Devido ao processo de fabricação ser mais complexo, a tinta sublimática possui valor considerável no mercado. É um objeto especial que pode gerar inúmeras possibilidade de estampas em um catálogo enorme de produtos, por isso seu preço sempre será elevado.

É utilizada em conjunto com o papel sublimático. Ao ser posta na prensa e configurada com pressão, tempo e temperatura adequada, a tinta sublimática transforma-se em estado gasoso e atinge o substrato fixando seu acabamento com cores bem vibrantes e reais.

Um item estampado com tinta sublimática apresenta durabilidade excelente, isso porque a fixação da substância penetrada na superfície do objeto é permanente e à prova d’água. Portanto, este item torna-se resistente a arranhões e dobras, além de ser lavável. Se for um tecido, pode ser lavado em máquina de lavar que não apresentará problemas de falha de personalização ou ranhura.

O contraponto às qualidades da tinta sublimática é a não utilização para fins de impressão de fotografias, documentos e outros trabalhos comumente feitos com tinta corante. Conforme já apresentado, é um produto especial que atua em conjunto com papel sublimático, diferente desses casos citados. Para essas finalidades a tinta corante tem maior aplicação, como demonstraremos a seguir.

Vale ressaltar que nem toda impressora pode ser adaptada para a inserção de tinta sublimática, pois o equipamento pode ser danificado. Atente-se às especificações da máquina antes de iniciar o processo. Nunca misture tinta sublimática, corante e pigmentada na mesma impressora, isso fatalmente acarretará em danos materiais e financeiros não desejados.

 

Tintas pigmentada e corante

Agora que você já sabe o que é e para que serve a tinta sublimática, vamos falar sobre as outras duas tintas habitualmente vistas no mercado dentro do assunto sublimação. Uma delas também serve para estampas, porém com especificações diferentes da tinta sublimática, enquanto a outra nada tem a ver com o assunto estamparia.

A tinta pigmentada serve tanto para impressão em papel fotográfico como para o processo de estampa. A substância é naturalmente resistente à luz e a prova de água, o que não a faz borrar seja testada após transferência para o papel ou já na sublimação de uma camiseta, por exemplo. Uma das qualidades é que, quando impressa, a tinta pigmentada gruda no material (sem penetrá-lo) e deixa um pequeno relevo sobre ele. Ela tem uma ótima durabilidade, mesmo apresentando limitações quando comparada a uma tinta sublimática.

Deve-se ter em mente que a tinta pigmentada, diferente da sublimática, precisa ser combinada com papel transfer no momento da sublimação. O que torna possível que a estampa seja feita com esta tinta não é a qualidade dela em si, mas sim o papel especial tipo transfer que vem com uma película termocolante que adere no tecido após aplicação de prensagem. Além disso, o tecido que será estampado precisa ser composto obrigatoriamente de algodão. A estampa fica sensível ao toque e aumenta o cuidado ao lavar, pois o relevo da personalização pode ser danificado.

Vale mencionar que a pigmentada também possui barramento UV (ultravioleta), qualidade que a corante não possui. Seu acabamento é mais fosco e resistente, durante muito tempo foi usada para impressões de documentos devido a sua conservação.

A tinta corante é a tinta padrão que acompanha a maior parte das impressoras encontradas no mercado. Entre as três substâncias aqui listadas é a que possui menor preço e qualidade, e isso pode ser explicado tanto pela ausência de proteção ultravioleta quanto pela falta de resistência à água. Portanto, é uma tinta que NÃO serve para estamparia.

A vantagem econômica da tinta corante é unicamente por ser mais usada no dia a dia em trabalhos escolares, provas, documentos e outros materiais de impressão tradicional. Entretanto, assim como a tinta pigmentada, ela também serve para imprimir fotografias. Neste caso, será preciso usar o papel fotográfico glossy, que é o ideal para ela, mas que depois não poderá ficar exposto ao sol ou umidade, pois sua qualidade de impressão se perderá e naturalmente a cor ficará desbotada e até mesmo manchada.

 

Considerações finais

Agora que você já compreendeu as diferenças entre as tintas sublimática, pigmentada e corante, seus valores e especificações de uso, ressaltamos que as qualidades dos materiais existentes no mercado vão fazer total diferença no produto final. Você verá, por exemplo, uma infinidade de marcas e preço para tintas sublimática, mas que terão virtudes distintas entre elas. Não monte seu kit apenas baseado em preço, pesquise qualidade e antecedentes antes de comprar, pois o que está em jogo é seu trabalho e a durabilidade dele.

Outro ponto costumeiramente duvidoso é a impressora para sublimação. Mencionamos no começo do artigo que é preciso ter impressora jato de tinta com característica própria para sublimação. Não coloque tinta sublimática na impressora adaptada a impressões mais tradicionais e com uso de tinta corante, isso inevitavelmente irá estraga-la. Pesquise as marcas especializadas e uma dica é conferir se o tanque externo da impressora comporta tinta sublimática e seu posterior uso em alta escala.

Por fim, esperamos ter correspondido ao tema tirando as principais dúvidas acerca do uso da tinta sublimática, em qual trabalho se usa tinta corante ou pigmentada, qual a durabilidade da estampa e outras incertezas mais, pois esse universo da sublimação é bem gostoso de se trabalhar e muito discutível ao mesmo tempo.

Compartilhe

Sobre o Autor